Bombeiro do DF é indiciado por desviar munições da PM para facção no RJ

Caixas de munição apreendidas pela polícia — Foto: Reprodução

Militar trabalhava no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência. Investigação aponta que ele usou cargo para ter acesso a projéteis.

A Polícia Civil concluiu o inquérito e indiciou o bombeiro Marcelo Rodrigues Gonçalves pelo desvio de munições da Polícia Militar do Distrito Federal para facções criminosas no Rio de Janeiro. O militar foi identificado na operação “Fogo Amigo”, deflagrada no ano passado.

O bombeiro era cedido ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República e atuou no órgão entre 2014 e 2018. Segundo as investigações, ele usou das atribuições do cargo de servidor público para ter acesso às munições da corporação.

O inquérito apontou ainda que o papel do militar era “obter e repassar as munições para um transportador, que levava os projéteis até o Rio de Janeiro”. Marcelo foi preso temporariamente, em dezembro de 2018, e agora responde ao processo em liberdade.

G1 não localizou a defesa do suspeito. A reportagem aguarda posicionamentos da Presidência da República, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

A investigação

De acordo com o delegado Guilherme Souza Melo, que investiga o caso, foram apreendidas mais de 1 mil munições desviadas e um dos lotes, adquiridos pela PMDF em 2013, pertencia à corporação.

“A partir daí, a investigação fez o caminho inverso para entender como como a munição foi parar no Rio de Janeiro”, explicou o delegado.

“Marcelo é um dos dos lideres da organização. Ele desviou e entregou as munições para transportadores incumbidos de levar para os morros.”

Com o inquérito remetido à Justiça do DF, o Ministério Público vai analisar o caso e, então, decidir se move denúncia contra o investigado. Se a denúncia dos promotores for aceita, o bombeiro pode se tornar réu no caso.

Operação ‘Fogo Amigo’

A operação “Fogo Amigo” foi deflagrada pela Polícia Civil do DF em 5 de dezembro de 2018. À época, foram cumpridos cinco mandados de busca e sete de prisão temporária no DF e no Rio de Janeiro.

As investigações começaram depois de a polícia flagrar o envio de munição do DF ao Rio, em duas ocasiões. A primeira ocorreu em 23 de fevereiro deste ano.

Balas de uso restrito da Polícia Militar do DF foram apreendidas com um homem no RJ, que teria transportado 1.529 projéteis por meio de uma empresa de transporte terrestre.

No segundo episódio, em 2 de junho, outro homem foi pego no RJ com 500 unidades de munição no carro. Parte vinha do Exército e outra parte também da PM do DF.

Durante a operação, a polícia localizou munição na casa de Marcelo Rodrigues Gonçalves – bombeiro militar cedido ao GSI.

Fonte: G1 DF